Arquivo

Archive for dezembro \18\UTC 2007

À todos os colonizados europeus, leitura obrigatória!

dezembro 18, 2007 2 comentários

Veja bem, eu ainda não li, mas já gostei. Tô esperando um amigo me dar de presente de natal how, how, how. O que li foram algumas críticas. É, porque estas custam menos que livros… estão soltas por aí na World Wide Web graças a Deus e a Nossa Senhora da Porta que além de computadores interligados, nestes nossos tempos mornos onde tudo é mais ou menos igual, nos abençoaram com Xico Sá, o autor. Sensacional!

Eis um trecho do livro: “A crucificação encarnada. Duas punhetas obrigatórias, até mesmo para os casados: uma na santa hora de pôr a matéria para descansar; outra ao alvorecer. São duas sagradas orações ao corpo, com as quais derramamos um tanto da violência das nossas glândulas mais primitivas.”

Ao invés de ficar pensando o que pode fazer com que alguem escreva tão tenras linhas, você deveria pensar em porque sua mente ao mesmo tempo em que lhe impele às sugestões, lhe reprime. Devo escrever mais sobre isso em outro momento, o sono agora não me permite. Mas não posso finalizar sem dizer: Leia o Catecismo de Devoções – Intimidades e Pornografias. Eu o farei.

Leia as críticas também, depois do livro. Ou antes e/ou depois. Ou não leia as críticas, fique apenas com o livro. Delicie-se.

Uma pequena retificação à minha pessoa: este livro é indicado a todos os humanos habitantes desta Terra.

Categorias:Sem-categoria

Estranha, eu?

dezembro 4, 2007 4 comentários

Estranho é o mundo e a sua necessidade de existir. Estranho é você fazendo esse cigarro de bengala e desse chopp acessório para sublimação da alma. Estranho é perceber que sua dissertação de mestrado, apoiada no pensamento de teóricos tão revolucionários, com o objetivo compreender um suposto problema, só servirá para enaltecer os muros da academia e o que é pior: lhe dará a sensação de ter contribuído para a busca de um mundo melhor.
 Estranho é ver você aí sentado, executando esse seu trabalho medíocre que no final do mês lhe concederá a redenção que você mesmo entregará ao outro ser faminto, operador de caixa daquele barzinho legal, daquele teatro alternativo, daquela livraria bacana e da lojinha com as novidades do mundo hi-tech, sem as quais você já não consegue viver.
 He, he, he. Pára com isso que a gente nem tem motivos para rir. Você diz que sou pessimista, mas meu caro, não se engane! Eu apenas não acho graça no otimismo. Dar-me-ia um extremo prazer ver-te considerar que a maioria dos nossos atos é fruto de uma vaidade improcedente, inerente a natureza humana. Os demasiado humanos sabem disso.
 Mas você, he, he, he, em meio a tanta coisa para fazer, atolado nos projetos para executar e quase insano com as metas à cumprir diz não ter tempo para pensar nessas coisas. Verdade, tempo é caro. É jóia para a qual te falta pescoço. Quanto a mim, confesso que às vezes me faço estranha para não sofrer rejeições quando preciso estar entre os estranhos por qualquer motivo. Faço questão de ter outros andando comigo, porque seguindo em linha reta, depois das curvas sinuosas a gente não tem resposta, não vê razão.
 Uns contemplam e todos submergem como se outro caminho não fosse possível. Em meu casulo sou cética mesmo. Teorias desastrosas, justificadas pela busca de um mundo melhor são inventadas para nos salvar. Há de se ter cuidado! Elas são o produto da hipocrisia daqueles que pensam, enquanto muitos outros não o fazem porque não têm tempo. O mundo, como diria um bom nordestino, “tá lascado”. Mas você prefere fingir que está tudo beleza, enquanto seu lobo não vem. Só que para o seu governo, seu lobo nunca esteve distante. Ele te devora a todo instante, seu bobo.

Terceiríssimo lugar no II Concurso de Crônicas da F2J. É, porque o superlativo absoluto não mérito apenas do número um.

Categorias:Nossas Coisas

Doe Sangue

dezembro 4, 2007 2 comentários

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que uma porcentagem da população doe sangue, mas o número de doadores não é satisfatório. Hospitais lidam com a falta de sangue constantemente.  Veja porque algumas pessoas estão impossibilitadas de fazer doações. Se você pode, tente doar. 
Por que o diabético não pode doar sangue?

Diabético que não pode doar sangue é aquele que chamamos de insulino-dependente; ou seja, aquele que necessita de insulina para manter seu metabolismo de açúcar próximo da normalidade. Esses pacientes têm importantes alterações do sistema cardiovascular e, em conseqüência disto, durante ou logo após a doação de sangue, podem apresentar alguma reação que agrave seu estado de saúde.

Por que pessoas com peso inferior a 50kg não podem doar sangue?
 
O volume de sangue total a ser coletado é diretamente relacionado ao peso do doador. Para os homens não pode exceder a 9ml / kg peso e, para as mulheres, a 8ml / kg peso. O anticoagulante presente na bolsa de coleta liga-se ao sangue impedindo que este coagule. O volume de anticoagulante da bolsa é padronizado para um mínimo de 400ml de sangue. Logo, uma pessoa com peso inferior a 50 kg não poderia doar o volume mínimo.

Por que menores de 18 anos não podem doar? Com autorização dos pais (ou responsável) a doação é permitida?

De acordo com a legislação brasileira que regulamenta as normas técnicas a serem aplicadas em todos os bancos de sangue do país, o menor só poderá doar sangue caso haja uma situação especial na qual seja imprescindível a sua doação. Nesse caso, deverá haver uma solicitação médica e autorização, por escrito, dos pais ou responsáveis.

 Quer doar? Veja o que é preciso fazer

Categorias:Feito Jornal